Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Epifania dos Vinte e Oito

“Aquele que mover o mundo, primeiro se moverá.”

“Aquele que mover o mundo, primeiro se moverá.”

Epifania dos Vinte e Oito

17
Jul21

Sebastião

Entre as várias razões que levam cada vez mais pessoas a tornarem-se vegetarianas, aquilo que mais influência teve nessa minha decisão, foi os benefícios que teria no meu organismo. O conhecimento das atrocidades cometidas contra os animais na indústria pecuária, e as violentas imagens dessa mesma realidade, foram claramente impactantes, porém não bastariam para me mobilizar de forma tão repentina como a que foi essa minha mudança.

Existe uma certa banalização do sofrimento alheio quando somos diariamente bombardeados pelos media tradicionais, e digitais, com imagens e notícias sobre, acidentes, maus-tratos, guerras, pobreza e terrorismo. Maior parte delas são atentados contra o nosso semelhante, no outro lado do globo, ou fora da nossa esfera privada para a qual estamos cada vez mais inclinados. Por mais que saibamos da verdade, é um conhecimento que fica numa dimensão muito superficial para uma grande maioria.

Na actual era da informação, a velocidade com que ela é criada, e a velocidade com que vivemos, não nos permitem reflectir profundamente sobre estes desequilíbrios do mundo que criámos. As imagens que nos chegam podem até provocar uma reacção emocional, mas essa é efémera, dura até à próxima notícia ou até ao próximo post. Não existe tempo suficiente para nos levar a uma acção, apenas cinco ou dez minutos de sensibilidade para nos provarmos que ainda somos humanos.

Para além do factor velocidade no tempo, há também a sua escassez. Mais de metade da nossa vida é passada a trabalhar, seja num emprego, ou na manutenção do nosso quotidiano. Nas horas vagas, preferimos distrair-nos. Já fomos a geração do zapping, hoje somos a geração do scroll. Vivemos em constante busca por gratificação instantânea, podendo “escolher” o que queremos ver, e o que não queremos, contando é claro com a ajuda do algoritmo. Nas coisas sérias ficamo-nos pelas manchetes de notícias, e pelas frases de livros, pois até no saber estamos cada vez mais comodistas.

Com excepção dos que se demonstram demasiado sensíveis para dar de caras com a violência da verdade, estas são algumas das razões pelos quais muitos escolhem desviar o olhar, pois não querem trespassar as muralhas da sua zona de conforto a verdade gera desconforto, obriga-nos a sair do sofá para que não sintamos vergonha da nossa própria existência.

Ao contrário do que se possa parecer, eu não julgo este comportamento. Poucos são aqueles que se apercebem da sua condição de alienação. Desde cedo que, através da psicologia do inconsciente, somos alvo de implantação de valores, de distorções de realidade, e de massacres ideológicos que potenciam o controlo mental das massas, ora por parte dos governos, ora por parte dos media, e das grandes empresas. Vivemos numa sociedade que tem como centro de importância os interesses económico-financeiros, ao invés do ser humano, e da sua harmonia social e ambiental.

Estava a viver um ano sabático, quando tomei a consciente decisão de retirar da minha alimentação qualquer produto de origem animal (ler texto). Muito desse tempo foi passado em pesquisa; vendo palestras e debates; lendo estudos científicos e testemunhos pessoais; a seguir blogues de receitas vegetarianas. Tal como já referi, o meu maior foco estava nas evidências científicas de quanto o meu corpo beneficiaria dessa minha escolha. O meu lado compassivo para com a vida animal veio a ser alimentado apenas um pouco mais tarde, com as experiências que vivenciei depois, e com a adopção do Kovu (meu companheiro de quatro patas).

Na sequência de uma endoscopia que fiz numa clínica em Lisboa, fui atendido por uma médica, de origem italiana, que rapidamente se conectou comigo quando soube desta minha posição em relação à alimentação. Para além de ter sido incrivelmente prestável e atenciosa, isentou-me de pagar o valor da anestesia. No final do exame, enquanto nos despedíamos, escrevia-me num papel alguns nomes de grupos e movimentos da luta pelos direitos dos animais — confidenciou-me que para além de vegan, era também activista.

Esse momento levou-me a investigar sobre o activismo, e a questionar se não deveria também ter um papel mais activo nesse sentido. Cheguei inclusive a assistir a uma intervenção no centro de Lisboa, realizada por um grupo de activistas (uma extensão portuguesa de um movimento mundialmente conhecido). Este grupo, devidamente identificado com o símbolo estampado em t-shirts de cor preta, escolhia um local com muita afluência de pessoas e criavam ali um círculo. Os que permaneciam de pé nesse círculo usavam máscaras a cobrir os seus rostos, e seguravam cartazes com mensagens, ou computadores portáteis que exibiam imagens sensíveis de tortura de animais em matadouros. Os elementos fora do círculo distribuíam flyers, e também algumas mensagens através de megafones, para atrair e sensibilizar as pessoas que por ali passavam.

Como curioso que sou, gosto de ter o conhecimento empírico das coisas. Fui ao encontro deste grupo, com a intenção de participar futuramente numa destas intervenções, e conhecer de dentro para fora as suas reais motivações, e o seu impacto na sociedade. Durante duas horas, e com alguma distância, permaneci sentado num banco enquanto observava atentamente o que faziam. Quando finalmente me aproximei, fui subitamente abordado por um dos porta-vozes. Eu estava muito intrigado com tudo aquilo, e por isso aproveitei a ocasião para fazer uma série de questões que me inquietavam.

Confesso que tinha algum preconceito em relação às motivações particulares, que levam pessoas a prescindirem das suas vidas passadas para viverem inteiramente dedicados a uma só luta, e a uma só causa. Apesar disso, fui muito surpreendido pela conversa que tive com este activista. Não me demonstrou qualquer tipo de fanatismo ou misantropia. Pelo contrário, pareceu-me alguém bastante sensato e compreensivo. Respondeu educadamente às minhas questões provocadoras, não ofensivas, e convidou-me a participar numa acção que iria fazer na semana seguinte, com um movimento fundado por si.

Embora admire e reconheça a importância do trabalho que muitos activistas têm feito, percebi naquele dia que esse não seria o meu caminho, não obstante, senti-me muito inspirado por este encontro.

Na verdade, aquilo que mais me intrigou neste meio do activismo pelos direitos dos animais foi a descoberta da existência de santuários. Enquanto os Jardins Zoológicos, que são instituições lucrativas, e que apesar de actuarem na pesquisa e preservação de espécies, mantém animais selvagens em cativeiro para exibição pública, sob o pretexto de educação ambiental. Os santuários, que são locais sem fins lucrativos, destinam-se a reabilitar, e a albergar em livre ambiente, animais que foram vítimas de maus-tratos, tráfico ou exploração. Depois de tratados, estes animais são reintroduzidos nos seus habitats naturais, ou adoptados por pessoas que poderão cuidar deles em lugares com características idênticas. Os raros casos em que isso não é possível, devem-se à agressividade oriunda dos traumas que alguns destes animais desenvolveram, sendo por isso importante respeitar a abordagem de cada santuário. Nestes lugares, os tratamentos desses traumas são tão importantes quanto os cuidados físicos.

Enquanto pesquisava informação destes locais, assisti a alguns vídeos que eram testemunhos reais da incrível conexão entre as várias espécies do reino animal (humanos e não humanos). Lembro-me de ficar extremamente sensibilizado por ver uma vaca tranquilamente deitada no colo de um tratador, recebendo festas e reagindo positivamente a esse afecto; de assistir a uma galinha pousada no peito de um activista, enquanto ambos comiam do mesmo prato; ou de ver uma cabra a brincar tranquilamente com um porco, como se de um cão e um gato se tratasse.

Eram imagens que só esperava ver com animais que no ocidente consideramos como de estimação. Parecia-me algo tão surreal ver todo aquele amor, e toda aquela empatia entre diferentes espécies, em perfeita harmonia com o ser humano, sem qualquer tipo de medo ou de agressividade. A partir daí, cresceu uma enorme vontade de conhecer pessoalmente um destes santuários, de poder sentir com todas as células do meu corpo, e com toda a dimensão da minha alma, o impacto desta minha decisão que vai muito além da minha própria saúde.

 

210629_export-131.jpgFotografia: Simão Oliveira © 2021 (Sebastião - A Quintinha da Liz)

 

No passado mês de Junho, desafiei o meu irmão mais novo (também vegetariano) a passar um fim-de-semana em Viseu, para fazer voluntariado num santuário chamado “A Quintinha da Liz” — o lugar que mais me intrigou durante as minhas pesquisas. Era algo que já desejava há um anos atrás, sendo impedido pelas medidas restritivas resultantes da pandemia. Apenas seguia o trabalho que desenvolviam a partir das suas redes sociais, e apoiava pontualmente através de doações e de partilhas online dos seus pedidos de ajuda.

Há muito tempo que desejava fazer uma viagem com o meu irmão mais novo, de poder passar algum tempo de qualidade com ele, e de partilhar alguma experiência que fosse motivada por uma paixão mútua. Em vez de embarcar nesta aventura sozinho como planeava, achei que poderia unir esses dois desejos numa só viagem. Para além dele, levei também o Kovu. Contactei a Lara, responsável pelo Santuário “A Quintinha da Liz”, agendámos os dias da visita, acordámos as condições, e seguimos rumo a Viseu.

Estava de noite quando chegámos. A quinta parecia um lugar místico e um pouco sombrio. As folhas das múltiplas árvores mal se viam, e a enorme casa, com o seu aspecto rústico, fazia-se notar através de uma longa tira de led´s de cor verde que contornava o muro do alpendre. Contrastando com todo esse cenário, a Lara recebia-nos com o seu sorriso e a sua boa energia, mesmo depois de um intenso dia de trabalho como é habitual. Ela é a prova viva de que um ser humano não se mede por palmos, a pequenez do seu corpo está longe de conseguir suportar a grandeza da sua alma, tudo em si transborda. Carrega nela uma força do tamanho do mundo, e uma determinação inspiradora alavancada pelo respeito e empatia que tem pela natureza. Só desse modo poderia suportar tal missão, de cuidar sozinha de uma quinta que alberga cerca de setenta animais. Facto esse que muito nos surpreendeu, ao mesmo tempo que lamentávamos tal condição. Pois, embora ela conte com a presença pontual de voluntários, pude presenciar as dificuldades inerentes a essa condição. Não só os animais exigem a sua atenção, também a casa onde vive e hospeda os seus visitantes e voluntários, e a sua agrofloresta de onde nascem os deliciosos mirtilos, cogumelos, laranjas, e ervas aromáticas que utiliza na sua cozinha sustentável.

“A Quintinha da Liz” nasceu há treze anos, fruto das memórias de infância da Lara. Nasce do seu profundo desejo de reabilitar um lugar, com dois hectares, e com dois séculos de história, que é esta sua quinta familiar onde já tinha sido muito feliz. A quinta é financiada apenas pelas vendas do excedente dos produtos alimentares que a Lara cultiva; doações pontuais de visitantes e voluntários (em dinheiro ou em alimentação para os animais); serviço de hotel para cães; pelas férias solidárias, onde podemos permutar na casa da quinta, usufruir da tranquilidade característica daquele lugar, e das maravilhosas refeições vegetarianas preparadas pela sua guardiã. Ainda que tenha várias formas de conseguir dinheiro, este não chega em quantidade suficiente para fazer frente às necessidades da quinta e dos respectivos animais. É um problema partilhado pela maior parte destes santuários, e a pandemia só veio revelar ainda mais essas fragilidades.

Decidindo canalizar todo o dinheiro que tínhamos disponível para apoiar a causa, eu e o meu irmão optamos por partilhar o entusiasmo de acampar dentro da quinta. Depois de entregarmos as nossas doações alimentares, a Lara acompanhou-nos ao local indicado para o acampamento, e, começámos a missão de montar uma tenda às escuras. Desafio bem executado pelo meu irmão que se diz habituado a estas andanças. No entanto, surgiu outro desafio enquanto dormíamos. Sem sabermos porquê, o Kovu começou a ladrar incansavelmente, algo que só conseguimos contornar metendo-o dentro da tenda connosco. Embora esta se tenha transformado numa sauna, foi reconfortante acordar com ele entre nós.

Na manhã do dia seguinte, parecia que tínhamos acordado num lugar totalmente diferente. Tudo parecia mais amplo, e brilhante, graças aos raios de sol que cedo se fizeram notar. Se à noite o silêncio era apaziguador, de dia ressoava toda uma banda sonora orquestrada pela natureza, e pelos animais que já se passeavam livremente desde as seis da manhã, hora em que a Lara acorda diariamente para abrir as portas das vedações. No meio disto tudo, e tal como na noite anterior, o Kovu tentava afirmar-se com todas as suas forças, competindo com a natureza através do seu latido. Nessa manhã fez-se luz, pois percebemos a razão da sua inquietação. Descobrimos que estávamos acampados ao lado do Sol e do Nero, dois porcos enormes para quem o Kovu olhava fixamente e com muita tensão.

Depois de tomarmos o pequeno-almoço, fomos ao encontro da Lara para deixar o Kovu no espaço reservado aos cães, para que durante a nossa visita ele não entrasse em conflito com os animais que se encontravam soltos pela quinta. Esse espaço é uma divisão da casa com a porta sempre aberta, frente ao enorme pátio que tem nas suas traseiras. Foi quando, inesperadamente, demos de caras com um ninho de andorinhas no candelabro de tecto dessa mesma divisão. Ficámos boquiabertos ao observar tal fenómeno, e ao descobrir o mundo da Lara através dos seus olhos. Enquanto ela nos contava a bonita história das andorinhas terem entrado e repousado na sua casa, eu confirmava naquele momento como ela está inteiramente de braços aberto para receber a vida, para acolhê-la, e para elevá-la.

Deixámos o Kovu bem acompanhado com a Ollie, o Sebastião, e a Inca (os três cães residentes da quinta), e demos início à visita do santuário, guiados pela Lara que nos ia contando a história daquele lugar, e apresentando todos os animais que lá vivem. Todos eles têm histórias muito peculiares, teria de escrever um livro para vos contar todas elas, e estaria a negligenciar muitos detalhes que só a Lara tão nitidamente recorda. Por isso, é natural que ao longo do texto refira apenas alguns nomes dos que me chamaram particularmente à atenção.

Naquele fim-de-semana, estavam alojados na casa um casal muito simpático que também desfrutava e colaborava na quinta, juntamente com a sua filha que deveria ter sensivelmente seis anos de idade. Ela estava encantadíssima com os animais. Passeava livremente entre eles, e tocava-lhes com tamanha ousadia e curiosidade, digna de uma criança que se encontra a descobrir o mundo. Enquanto a observava, via-me a mim mesmo nos seus olhos. Com trinta e dois anos, foi assim que me senti naquele lugar, vendo tudo pela primeira vez, deslumbrado com tamanha proximidade, e com o facto de saber que nenhum daqueles seres acabaria no prato de alguém.

Coitada da Lara, que durante a visita, e enquanto partilhava algumas histórias, respondia às imensas perguntas com as quais a bombardeei — eu estava imerso em curiosidade.

Nem tudo era um mar de rosas, pelo meio fiquei a saber de alguns tristes factos sobre a indústria pecuária que desconhecia. Tal como ouvi nas palavras da Lara, o homem cria bebés deficientes para comer. A maior parte destes animais são alterados geneticamente para desenvolverem determinadas características que melhor servem à indústria e ao mercado. Alguns deles, como por exemplo as galinhas e os perus resgatados de aviários, são programados para crescerem excessivamente, produzirem ovos em quantidades ridículas, crescerem com a mesma cor, e com as penas muito frágeis. Tudo isso debilita os seus ossos e o seu sistema imunitário. Como é o caso da “Maria Antonieta”, uma perua com falta de penas nas costas, e o caso do “Magalhães”, um peru elegantíssimo que tem as penas quebradas na zona da “cauda”, e cujo peso do corpo já pouco suporta.

Maior parte destes animais têm pouco tempo de vida, e quem o afirma é a Lara que tão bem conhece as condições em que eles são resgatados. Conhece de perto a dor e sofrimento que sentem, mesmo querendo viver a todo o custo. Muitos deles passam o tempo todo doentes, e nem a medicação que tomam atenua o seu desconforto.

Actualmente, a Lara tem uma perspectiva diferente quanto a resgatar animais nestas condições. Diz que não voltará a fazê-lo no futuro, e questiona-se sobre qual a melhor acção a fazer. Devemos prolongar o sofrimento deles, ou acabar definitivamente com a sua dor? Parece polémica tal questão, vinda de quem diariamente se dedica a salvá-los há mais de uma década. Mas depois de tudo o que ouvi, senti, e observei, não consigo deixar de compartilhar esse seu pensamento, e de reflectir sobre a profundidade dessa questão. Onde começa, e onde acaba o nosso altruísmo?

Depois de feitas as apresentações, a Lara dirige-se à casa para preparar a refeição dos porcos. Enquanto isso, eu e o meu irmão passeávamos pela quinta trocando umas ideias, processando toda aquela informação, e toda aquela intensa experiência que estava ainda a começar. Aproveitei também para tirar algumas fotografias, e para me tentar aproximar dos animais que surgiam pelo meu caminho.

Pouco tempo depois, a Lara regressa com a comida do Sol e do Nero, e voluntariámo-nos para lhe ajudar com algumas tarefas; encher as dezenas de garrafões de água no chafariz da aldeia, transportados num carrinho de mão; carregar baldes enormes de feno desde a antiga adega da quinta, até ao abrigo dos bodes e das cabras; limpar as fezes que os animais vão largando pelo terreno; alimentar alguns animais; dar banho ao rabugento do Simón e à medrosa da Aurora (dois pequenos porcos muito caricatos).

No meio destas tarefas, aparece-me à frente o Martim, um bode de pêlo branco, que apesar de coxear de uma perna devido a uma artrose que tem no joelho, era muito habilidoso na arte de comer pasto. Enquanto os seus camaradas se inclinavam para comer do chão, ele pendurava-se num muro comprido para comer as folhas que cresciam no topo. Para além de ginasta, ainda apresentava características de modelo fotográfico. Segundo a Lara, o Martim adora ser fotografado, e devido ao problema do joelho faz uma pose muito elegante que se assemelha à de um cavalo.

Ao aproximar-se da hora de almoço, uma vez que iríamos usufruir de uma refeição na casa, juntamente com o casal, decidimos ajudar na cozinha. Eu estava deslumbrado dentro daquele espaço que transbordava uma variedade imensa de alimentos, todos eles orgânicos e naturalmente saudáveis. Entre as ideias e reflexões, que trocámos enquanto preparávamos o almoço, trouxe imensas aprendizagens sobre alimentação e sobre sustentabilidade.

Nada naquela casa é desperdiçado. Os restos dos alimentos são aproveitados para a compostagem, a água utilizada no lavatório da cozinha é reaproveitada para agrofloresta, e a água utilizada no lavatório da casa de banho é reaproveitada para a sanita (algo que me fez relembrar o quão surreal é o facto de que usamos água potável nas nossas casas para fazer desaparecer os nossos dejectos, quando em outros lugares do mundo morrem milhões pela sua escassez).

Enquanto se preparava a mesa, aproveitei para ir à casa de banho, no andar de cima, e pelo caminho ia conhecendo alguns cantos da casa. A casa da quinta parece um autêntico museu. Emana um charme rústico com os seus duzentos anos de existência. As suas paredes guardam memórias, cobertas de quadros, e de objectos muito peculiares. O seu altíssimo tecto, com enormes candelabros, lembrava-me os palácios da realeza do séc. XVII. Assim como os seus móveis, de estilo Luis XV, ou talvez Vitoriano (os mais entendidos que me perdoem pela ignorância), que me pareciam ser de madeira mogno, tudo material que resiste ao sopro do tempo para nos contar uma história.

O almoço que a Lara nos proporcionou estava incrivelmente delicioso. A longa mesa da sala de jantar ostentava toda uma riqueza de cores, texturas e sabores. Assim foi também a nossa conversa, onde escutámos atentamente às histórias que partilhava sobre si, e sobre a origem da quinta, aproveitando também o momento para nos conhecermos melhor uns aos outros.

De volta aos trabalhos da quinta, decidi ausentar-me por duas horas para ir até ao centro de Viseu comprar um saco de farelo de trigo — tencionava trazer de Lisboa, mas não tinha encontrado em grandes quantidades. Enquanto viajava de carro, aproveitei esse momento só, para conhecer os cantos da cidade, e para processar tudo o que estava a experienciar naquele dia.

Regressei no final da tarde, a tempo de ajudar a colocar os animais nos respectivos lugares, para que estes não fugissem para a vizinhança durante a noite. Depois disso, fomos buscar o Kovu, despedimo-nos da Lara e do casal, e regressámos à nossa tenda para comer e finalmente descansar.

No dia seguinte, aproveitei a manhã para observar e me aproximar dos animais com mais tempo, já o meu irmão dava uso à sua máquina para fotografar a quinta e os animais. A fotografia é uma das suas áreas de actividade profissional, e como tal, quis fazer um ensaio fotográfico para que a Lara pudesse usar nas suas plataformas digitais e apresentar a sua quinta ao mundo. (Ver fotografias)

Durante essa manhã, houve momentos que fomentaram ainda mais esta minha ligação indiscriminada com os animais. Apesar de ter sentido uma conexão, e uma empatia muito grande com todos eles, levei comigo algumas imagens em particular. A "Vida" no meu colo (uma pata bébé salva pela Lara); o “Martim” a posar para mim enquanto o fotografava; a “Baby-Chic” que detesta ser fotografada, fugindo sempre do olhar da lente, o que é uma pena sendo que é a galinha mais bonita que vi em toda a minha vida, ostentando um gradiente de cor que começa com cinzento-escuro no bico, e acaba em cinzento claro no rabo; a perua “Antonieta” que me tentava comer as calças; o peru “Magalhães” que se atravessava na minha câmera, todo altivo, achando-se o dono do pedaço; o porquinho “Simón”, que resmungava comigo por ter invadido o seu espaço, para fotografá-lo enquanto dormia; a cabra “Lissi” que se encostou a mim para lhe dar afecto; o cão “Sebastião” que viciado nas minhas massagens não me largava na hora da despedida.

Aproximava-se o final da manhã, hora que planeava regressar a Lisboa, quando a Lara amavelmente nos convidou para almoçar na casa — algo a que acedemos com toda a gratidão, pois sentimos que, durante aqueles três dias, desenvolvemos uma ligação muito bonita e genuína. Para além de uma exímia anfitriã, a Lara é um ser incrivelmente inspirador como não me canso de dizer. É uma daquelas forças da natureza que tenta alinhar ao máximo todas as suas escolhas, e todo seu estilo de vida, de acordo com os seus valores, e com os seus ideais. Num mundo cada vez mais desequilibrado, e numa sociedade cada vez mais uniformizada, ela mantém-se fiel a si mesma, e fiel aos seus princípios. Para mim, isso é uma qualidade rara e louvável em qualquer ser humano.

Por toda a profundidade desta experiência na quinta, e pela amizade que criámos com a Lara, creio que não houve um momento de despedida, mas sim um abraço de “até breve!”.

“Eu não tenho dúvidas de que é parte do destino da raça humana, na sua evolução gradual, parar de comer animais, tal como as tribos selvagens deixaram de se comer umas às outras quando entraram em contacto com os mais civilizados.”

Henry David Thoreau, Walden

PS:. Depois de terminar e de partilhar este texto com a Lara, soube da triste notícia de que o Sebastião tinha falecido de forma inesperada na noite anterior.

Nunca se está preparado para ver partir quem amamos, e para ela, que apesar de estar naturalmente habituada a ver partir os animais que estão ao seu cuidado, todas as vezes são como uma primeira vez. No entanto, devemos focar-nos no facto de que o Sebastião foi um animal muito feliz na ”A Quintinha da Liz”. Não tenho a menor dúvida disso, tive o privilégio de testemunhá-lo através do seu olhar.

Desejo que um dia todos os animais possam viver uma vida digna como a que ele viveu na quinta.

Ao Sebastião.

 

 

-

Se quiseres apoiar “A Quintinha da Liz” poderás fazê-lo através de donativos monetários, alimentares, ou através de voluntariado. Poderás também saber mais através do instagram ou do facebook.

IBAN QtaLiz: PT50003508170069555390065

PAYPAL: a.quintinha.da.liz@gmail.com

Teaming: https://www.teaming.net/aquintinhadaliz

Teaming é uma plataforma online para angariar fundos a favor de causas sociais com micro doações de 1€ por mês. A sua filosofia é baseada na ideia de que 1€ não tem muito impacto se doado sozinho, mas se juntarmos forças, podemos tornar possíveis lindos projectos!

2 comentários

Comentar post