Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Epifania dos Vinte e Oito

“Aquele que mover o mundo, primeiro se moverá.”

“Aquele que mover o mundo, primeiro se moverá.”

Epifania dos Vinte e Oito

18
Jan21

Mil Quilómetros de Autodescoberta (3/3)

Fazia já alguns anos que não nos víamos.

Combinámos numa esplanada perto de uma zona industrial, ponto de encontro habitual dos seus amigos e colegas, quando terminam os seus horários de trabalho. Ali estava eu, um novo elemento que se juntara, por curto tempo, àquilo que me parecia ser uma pequena família. Pareceram-me todos bons rapazes, nomeadamente o companheiro da minha amiga que se fez apresentar com muito boa energia, algo que me deixou feliz por ser o tipo de pessoa com quem ela se relacionava romanticamente. O teor das conversas que tivemos até se aproximar o pôr do sol foi apenas relevante a um nível pessoal, mas posso adiantar que foi uma tarde bem passada e em boa companhia.

Despedi-me de Santo André com o sentido de dever cumprido e uma grande satisfação por perceber que os elos de amizade nunca se quebram apesar da distância ou da regularidade com que se renovam. Serviu igualmente para relembrar o quanto aprecio visitar os meus íntimos mais distantes e de forma inesperada. Era quase noite em Santo André e senti que não seria esse o lugar onde eu queria repousar. Na falta de ideia melhor, tomei a decisão de partir até ao Algarve, minha terra natal.

 

IMG_20190926_135114

 

Desde os seis anos de idade que vivo em Lisboa e quase todos os anos costumava passar alguns dias em Albufeira com a minha família ou com amigos. Uma vez que interrompera essa tradição nos últimos dois anos, decidi juntar o útil ao agradável. Fiz-me novamente à estrada, em direcção a Faro, para assistir a uma actuação musical num bar. A estrela da noite era uma outra amiga, estando este título muito aquém daquilo que realmente representa para mim e com quem partilhei vários palcos no passado.

Ainda no início da viagem e já de noite, à saída de Santiago, entro numa estreita estrada com dois sentidos, repleta de curvas e contracurvas e sem qualquer tipo de iluminação. Tudo o que tinha à minha volta eram apenas árvores que mal viam. A luz dos faróis eram a única coisa que tinha a meu favor e raríssimos foram os carros com que me cruzei. No silêncio da noite e durante os largos minutos que passava sozinho naquela estrada, cheguei a recear o pior e a pensar como me poderia safar se de repente surgisse ali um contratempo. Um pneu furado, uma lâmpada fundida, uma curva mal feita, uma avaria electrónica, entre muitas outras possibilidades. Além disso, a bateria do meu telemóvel já não dava sinais de vida.

Perceber que pensar no assunto não impedia a sua concretização trouxe-me de volta ao momento presente. Cada minuto que passava a pensar em situações que poderiam acontecer e a encontrar em soluções para as mesmas era tempo perdido. Era tempo em que a minha mente estava projectada no futuro, enquanto o presente me passava entre os dedos. Não me traria qualquer vantagem ou utilidade.

O que sabemos do futuro é que um dia o nosso corpo perderá as suas funções vitais. A única garantia que temos é o momento presente e é nele que devemos estar. As adversidades que nele possam surgir são grandes oportunidades para conhecermos os nossos verdadeiros limites e aumentarmos a nossa capacidade de resiliência. A nossa sensação de controlo na vida é uma mera ilusão. Tal como referi anteriormente, apenas controlamos a forma como nos movemos. Não estou com isto a desencorajar ninguém a ser cauteloso, no entanto é necessário algum equilíbrio para que não nos tornemos numa pessoa sistemática. Demasiado planeamento bloqueia-nos a capacidade de lidar com imprevistos, gerando sentimentos de stress e ansiedade. Repito, esta viagem era também sobre autoconhecimento em eventuais situações de desconforto.

Ao permitir-me desfrutar da adrenalina do caminho até Faro, a minha única preocupação passou a ser apenas a de não atropelar nenhum animal que atravessasse a estrada no meio de toda aquela escuridão. Quando avistei a placa branca que mencionava o nome Algarve, respirei de alívio e pude finalmente relaxar. Certamente, há quem faça aquele trajecto com uma perna às costas, mas a quem lá passa de noite e sozinho pela primeira vez, posso dizer que é uma experiência um tanto sinistra.

Chegando finalmente a Faro, procurei um lugar onde pudesse jantar alguma coisa antes do concerto. Algo que foi bastante fácil, por comparação à viagem. Logo depois, dirigi-me até à cidade velha entre as Muralhas de Faro e encontro o bar onde a minha amiga estava prestes a actuar, ficando por ali a contemplar a sua incrível presença em palco, fazendo-se acompanhar de um estonteante sorriso, algo que proporcionava uma sensação familiar aos meus olhos e aos meus ouvidos. Após o concerto, ela fez-me uma visita guiada pela zona de lazer da noite de Faro, nada comparado com a diversidade da noite de Albufeira que tão bem conhecia e da qual fui um grande entusiasta durante muitos anos. Despeço-me com um abraço profundo e sigo para um parque de estacionamento frente à Ria Formosa, perto das muralhas. Não me restando grande alternativa face ao cansaço que sentia, acomodei-me dentro do meu carro para repousar até ao nascer do sol.

Acordado pela luz do sol e pelo ruído da agitação matinal, decidi voltar à estrada, rumando a Albufeira. Começando a faltar-me recursos, ideias, e com compromissos pendentes, sendo esta uma viagem de introspecção e de reencontro comigo mesmo, nada melhor que voltar às minhas raízes antes de regressar a Lisboa.

Pela primeira vez, caminhei sozinho pelo centro antigo de Albufeira, um lugar muito marcante na vida dos meus pais. O verão tinha terminado e ainda se fazia notar a imensa presença de turistas. Estávamos a poucos meses de enfrentar o início da pandemia que estamos hoje a viver. Também pela primeira vez, e devido ao calor que sentia, vi-me obrigado a tirar a roupa que me cobria o tronco, para que pudesse continuar a caminhar confortavelmente entre as bancas, lojas e restaurantes - à procura do bar que em tempos foi explorado pelo meu pai em conjunto com duas irmãs e a minha mãe, e sobre o qual ouvi muitas histórias desde a minha infância.

Era algo que nunca havia feito em público a não ser na praia, dado o complexo que tinha com o meu corpo e que se foi desvanecendo ao longo dos anos. Esse complexo era derivado da condição física com que nasci, fazendo com que o desenho do meu corpo fugisse um pouco do modelo padrão esperado. Na verdade, era mais pelo desconforto de me sentir constantemente observado e não propriamente por saber que carrego tais diferenças, porque a aceitação do meu corpo era algo que já me acompanhava desde a adolescência. No entanto, nunca deixei de utilizar mecanismos na tentativa de ser observado e tratado pelo que sou e não pela matéria que transporta o meu Eu, a minha consciência e a minha alma.

Enquanto escrevo isto, dou por mim a questionar se nos últimos quinze anos terei realmente sido acompanhado pela aceitação que mencionei ou se por um simples sentimento de conformismo. Creio mais na segunda hipótese.

Ao saber que nada poderia fazer para mudar esta condição, mostrou-se mais prático e menos castrante conformar-me com a realidade e não passar o resto da vida a remar contra a maré. Esta mudança de paradigma trouxe-me autoconfiança e lançou-me para a vida. Fez-me atrair uma série de coisas positivas como experiências, pessoas e conquistas. Passei a olhar com outros olhos para a minha imagem reflectida no espelho. Começando a focar-me nas coisas positivas, procurando identificar o que mais gostava e a imaginar formas criativas de ocultar o que menos gostava. Mas tudo isto teve um preço. Um preço que paguei sem saber e que só se fez notar anos mais tarde. Como uma espécie de despesa de manutenção que se faz subtrair todos os meses no saldo bancário e que os mais distraídos nem dão conta.

A aceitação, no verdadeiro sentido da palavra, dá-se quando abraçamos a realidade existente com todas as suas nuances no mundo interno e no mundo externo. Isto só começou realmente a acontecer comigo quando completei vinte e oito anos de idade e após ter passado por uma experiência que me fez colocar toda a minha vida em perspectiva.

Ao contrário da autoconfiança, que é baseada na noção de competência, a auto-aceitação, que indica uma profunda aceitação de nós mesmos com todas as nossas limitações e imperfeições físicas e/ou mentais, materializou-se quando, num acto espontâneo, decidi tirar a camisola em público ou quando me dispo neste testemunho. Faz parte de todo um processo que começou desde que vim ao mundo e que se tem tornado cada vez mais consciente e impactante nos últimos três anos, desde que mergulhei profunda e conscientemente nesta viagem de autoconhecimento.

Depois da longa caminhada pelo centro de Albufeira, encontrei o bar que anteriormente referi, o Daimlers. A nova gerência pouco ou nada se lembrava do espaço, agora inteiramente renovado à excepção da placa que mencionava o seu nome. Decidi voltar à estrada nacional e regressar a casa.

Durante a viagem, dei por mim com um sentimento de realização e de propósito cumprido. Apercebi-me de que, durante estes dias, não me ocorreu qualquer pensamento que me remetesse à relação tóxica com a substância de que falei no início e cujo término me motivou a embarcar esta aventura. Dei por mim com uma série de respostas encontradas e novas questões em aberto, e fui arrebatado por uma enorme vontade de me aventurar em mais experiências na companhia de mim próprio. Não me tornei misantropo nem tenho pretensões de ser um eremita, apenas dei mais um passo decisivo para quebrar o medo da solidão e conhecer a solitude.

Algo muito interessante e revelador que percebi nesta viagem foi que embora caminhasse sozinho, sempre me senti bastante acompanhado. Seria de esperar que quando estamos sozinhos por muito tempo e em lugares que desconhecemos, sentimos uma maior necessidade de socialização do que sentimos no nosso movimentado quotidiano. Na maioria dos sítios por onde passei as pessoas eram dotadas de uma maior predisposição para ajudar o próximo ou até mesmo para conversar com um estranho - o que muitas vezes resulta em surpresas agradáveis e que nos leva a novos lugares. O contrário também pode acontecer, é um facto. Para o evitar, devemos guiar-nos pela intuição. Não vivemos num mundo onde todos nos querem bem, vivemos num mundo onde o desejo de uns se sobrepõe à liberdade de outros. Porém, sabemos que não é somente com estranhos que podem acontecer surpresas desagradáveis. Quantas vezes vemos isso presente entre as nossas famílias e círculos de amigos!?

Cada vez mais acredito e sinto que somos todos parte de uma família humana.

Após quatro dias e mil quilómetros de movimento, regresso a casa mais conectado comigo e a saber um pouco mais sobre mim.

 

Revisão por: Inês Simões e Hugo Rebelo

 

Poderão também acompanhar visualmente esta viagem aqui.